quinta-feira, 16 de agosto de 2018

Santander abre inscrições para o programa Trainee 2018


Banco selecionará entre 20 e 30 jovens. Recém-formados de todas as áreas são bem-vindos;
     Os cinco trainees com melhor performance durante o programa 2018 receberão uma Bolsa de Estudos para curso na Babson College, em Boston;
     Garra, inteligência emocional, confiabilidade, espírito empreendedor e perfil influenciador serão valorizados.

São Paulo, 09 de agosto de 2018
O Santander lança amanhã o Programa de Trainee de 2018. O Banco busca recém-formados que tenham concluído o curso a partir de dezembro de 2016 ou universitários que se formem até dezembro de 2018, de qualquer universidade brasileira e área de conhecimento. O processo reflete o zelo do Banco em promover a diversidade.
Segundo a vice-presidente de Recursos Humanos do Santander, Vanessa Lobato, a capacidade de contestar e ao mesmo tempo se inquietar em busca de melhores práticas é uma característica frequente entre os colaboradores do Santander. “Somos uma empresa que valoriza a ruptura de velhos hábitos e novas sugestões. Que reconhece os funcionários com essa iniciativa, com espírito empreendedor e gana de fazer acontecer. A seleção dos trainees é norteada por essa cultura. Buscamos candidatos com garra, inteligência emocional, confiáveis, empreendedores, influenciadores, colaboradores e que contribuam no desenvolvimento das pessoas”, explicou.
O processo seletivo será dividido em seis etapas. Os candidatos realizarão testes online de inglês, raciocínio lógico e um assessment online. Em seguida, teremos uma etapa de vídeo, com foco na trajetória de vida de cada um. Nas últimas etapas, os candidatos resolverão cases de negócio (online e presencial).
Serão selecionados entre 20 e 30 candidatos, que iniciarão as atividades em novembro deste ano, numa das melhores empresas para se trabalhar no Brasil e na América Latina, segundo o GPTW (Great Place To Work). Não é necessário ter experiência profissionais anteriores. O que se busca são histórias de vida diferenciadas e/ou de superação.  O programa tem duração de 12 meses. Os admitidos participarão de ações com conteúdos técnicos e comportamentais, e farão job rotation com atuação em projetos estratégicos, sempre com a coordenação do RH e auxiliados por executivos do Banco que atuarão como mentores.
Ainda de acordo com Vanessa Lobato, o trainee “encontrará muitos desafios, mas também muita colaboração entre equipes para superá-los, o que lhes possibilitará muito aprendizado. Estímulos que os desafiarão a pensar, agir, criar a propor soluções. Buscaremos e estimularemos habilidades como autonomia, responsabilidade, colaboração, inovação, resiliência e capacidade comunicativa”, afirmou.
Em 2016, com a retomada do programa, 11.945 jovens se inscreveram. Já em 2017 esse número saltou para 30.547 candidatos. Atualmente o Banco conta com 25 jovens com bastante identificação com a cultura e perfil do banco, fruto daquela seleção. Os cinco trainees com melhor performance durante o programa 2018 receberão uma Bolsa de Estudos para um curso de três semanas na Babson College, em Boston, previsto para Julho de 2020.
Para Caio Martin Costa, 24 anos, ser trainee no Santander é estar disposto a constantemente sair da zona de conforto. A imergir na cultura da organização e ser, de forma protagonista, responsável por promover mudança e colaboração. “O programa permite desenvolver habilidades técnicas na prática, colocando a mão na massa em projetos estratégicos de várias áreas do banco. Enquanto trainee temos carta branca para acessar todos os níveis da empresa, propor novas ideias e ajudar a tirá-las do papel. No âmbito comportamental, somos continuamente estimulados através de treinamentos, desenvolvendo as habilidades necessárias de um líder do futuro”, avaliou ele.
A também trainee Eliza Martins Gurgel, 26 anos, optou pelo Santander por ter ótimas referências sobre a qualidade do programa e o impulso que o programa proporciona à carreira dos participantes. “O Banco vive um ótimo momento, cresce em rentabilidade e investe muito para oferecer soluções inovadores e atender bem os clientes. Queria fazer parte disso. Sinto que nesses meses de programa consegui ter uma visão ampla da empresa, aprendendo muito sobre as áreas e o mercado financeiro.  O ambiente de trabalho é desafiador e isso me impulsiona para alcançar grandes resultados”, sintetiza ela.
Os interessados em participar do Programa de Trainee do Santander podem se inscrever até o dia 10 de setembro pelo site www.grupociadetalentos.com.br/traineesantander. Os aprovados terão salário de R$ 6,2 mil e benefícios como plano de saúde, odontológico, vale refeição e alimentação, participação nos lucros, entre outros.

Relações com a Imprensa
(11) 3553-2623/7366/5157/5244 - e-mail: imprensa@santander.com.br /  www.santanderuniversidades.com.br / www.santander.com.br twitter.com/santander.br / SAC 0800 762 7777/ Ouvidoria: 0800 726 0322


Fonte https://www.santander.com.br/

quarta-feira, 15 de agosto de 2018

Estudantes poderão acompanhar "Aulão para o Enem" durante a Bienal


Ubook lançou recentemente Enem para Ouvir e levará professores para dar aulas durante a Feira do Livro em São Paulo
A 25ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo é ponto certo para quem é apaixonado por livros, literatura, amantes de HQ e demais assuntos ligados ao universo editorial, mas é também o local ideal para quem quer aperfeiçoar os conhecimentos em busca de uma vaga nas principais universidades do País. Afinal, informação e educação andam de mãos dadas.
Para este público que busca um conteúdo mais didático, o Ubook, maior plataforma de audiolivros por streaming da América Latina, em parceria com o Ao Cubo Colégio e Curso, instituição de ensino que alcançou resultados expressivos em pouco tempo com mais de 90% de aprovação no ENEM e com direito à nota máxima na redação e o 1° lugar geral na prova da UERJ, irá oferecer Aulões sobre o Enem para o público que passar pelo estande da empresa durante o evento (F118).
No mês passado, o Ubook lançou o “Enem para Ouvir”, plataforam composta por conteúdos em áudios de aulas e dicas para quem está se preparando para entrar em uma universidade, cuja mensalidade custa menos de cinquenta centavos por dia. Com a facilidade de poder usar o smartphone e um fone de ouvido em qualquer lugar, o usuário consegue revisar um conteúdo inteiro enquanto vai da escola para o trabalho, por exemplo. Os usuários do Enem para Ouvir recebem também, toda semana, novas audioaulas preparadas por professores do celebrado Ao Cubo Colégio e Curso.
Além de professores que são destaques em suas disciplinas de atuação, o evento contará ainda com a presença do professor Rui Alves Gomes de Sá, que tem mais de 30 anos de experiência na área educacional e é um dos fundadores do Ao Cubo Vestibular.
As aulas acontecem entre os dias 06 e 11, em diferentes horários. Confira a seguir a programação:
·  06/08, das 15h às 17h: Princípios da Matemática e o ENEM, com o professor Vitor Israel;
·  07/08, das 15h às 17h: Por dentro da Redação do ENEM - competências e parâmetros, com o professor Marcos Machado.
·  08/08, das 15h às 17h: Mapa dos 1000 pontos - como a neurociência ajuda na hora da Redação, com o professor Rafael Haussman;
·  09/08, das 15h às 17h: Samba, Educação e Identidade Nacional na Era Vargas, com o professor Luiz Antonio Simas;
·  10/08, das 15h às 17h: Movimentos Sociais sob a Perspectiva do ENEM, com o professor Paulo Andrade;
·  11/08, das 11h às 13h: Corrida de 100m ou Maratona? O Planejamento de Estudo no Ano do ENEM, com o professor e diretor geral do Ao Cubo, Rui Sá.
Após a apresentação diária de cada aula, os professores Mario Félix e Rafael Ottati, coordenadores do Enem para Ouvir e Curadores de Assuntos Educacionais do Ubook, também farão uma apresentação para os presentes com dicas sobre vestibulares, o que levar em consideração na hora de escolher a carreira, como se preparar para as provas, orientações para estudar, entre outros.
Sobre o Ubook: Criado em outubro de 2014, o Ubook já é o maior aplicativo de audiolivros por streaming da América Latina. São mais de 4,5 milhões de usuários registrados que usufruem dos mais de 15 mil títulos disponíveis no catálogo, entre livros, revistas, cursos e palestras. O conteúdo pode ser acessado pelo website ou pelos aplicativos disponíveis para iOS e Android. Ele funciona como o Netflix para vídeos ou o Spotify para música: por um valor mensal é possível ter acesso ilimitado a todo o catálogo da plataforma. Encontre mais informações sobre o Ubook em www.ubook.com.
Fonte https://www.segs.com.br/educacao/128822-estudantes-poderao-acompanhar-aulao-para-o-enem-durante-a-bienal

terça-feira, 14 de agosto de 2018

INFRAESTRUTURA: Cabotagem tem crescimento anual de 10%

No país das rodovias, a navegação de cabotagem é tratada como um tema da contracultura

INFRAESTRUTURA: Cabotagem tem crescimento anual de 10%
É assim que Cléber Cordeiro Lucas, vice-presidente do Sindicato Nacional das Empresas de Navegação Marítima (Syndarma), classifica a discussão sobre o transporte marítimo no país. Ele lembra que quatro programas de navegação de cabotagem foram elaborados, mas "não passaram da fase de diagnóstico". Ainda assim, ela vem crescendo a taxas de dois dígitos. "Com a greve dos caminhoneiros, ficou evidente a importância do desenvolvimento desse modal", afirmou Cordeiro Lucas, durante o evento "E agora, Brasil?", realizado pelos jornais "O Globo" e Valor, em São Paulo.
Crescimento - O crescimento da cabotagem - a navegação que acontece na costa brasileira e liga portos nacionais - tem sido de 10% ao ano, na última década. Somente no primeiro semestre de 2018, essa expansão foi de 13%. Na renovação da frota, é investido, por ano, cerca de US$ 1 bilhão. Entre os pontos positivos desse modal, Cordeiro Lucas destaca o fato de a taxa de emissão de CO2 representar um décimo da das rodovias e um terço da das ferrovias. Além disso, em termos de energia, o modal é cinco vezes mais eficiente do que as rodovias e três vezes mais do que as ferrovias.
Momento propício - "Este momento é propício para esse tipo de reflexão. O Estado perdeu a capacidade de gerir seus negócios. Então, esta é uma oportunidade para ver onde é melhor alocar o capital", ressaltou o vice-presidente do Syndarma.
Arroz - Atualmente, afirmou Cordeiro Lucas, todo o arroz que é produzido na região Sul do país chega às regiões Norte e Nordeste via navegação de cabotagem. A participação da cabotagem no transporte desse produto, segundo ele, chega a 80%. Para o vice-presidente do Syndarma, é preciso dotar as agências reguladoras "com capacidade intelectual e empreendedora" para entender as necessidades do mercado e adotar um padrão técnico de atuação.
Situação sui generis - "Hoje há uma situação sui generis, em que a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) tem competência para julgar e decidir de uma maneira, mas vem uma decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) que pede para rever aquela decisão. É uma instabilidade tremenda, e perdemos completamente as referências que se tem no mercado", afirmou Cordeiro Lucas.
Política pública - Ele defende que o Brasil precisa de uma política pública para a cabotagem e o transporte marítimo: "A meu ver, este é o primeiro passo para começar a investir naquilo que pode dar um retorno positivo ao país".
Fonte http://www.portaldoagronegocio.com.br/noticia/logistica-e-transporte-2085/infraestrutura-cabotagem-tem-crescimento-anual-de-10-174592

segunda-feira, 13 de agosto de 2018

Keep calm and take it easy


Neste vestibular fique de olho nas orientações, fique calmo e vá tranquilo 

No meio do ano as inscrições para os vestibulares das faculdades mais concorridas do Brasil, normalmente, são encerradas e assim começa a fase estressante para o estudante, pois a carga de estudos e outros fatores sociais contribuem para o sobrepeso emocional, como afirma Valéria Ribeiro, coach familiar especializada em terapia familiar sistêmica, "Isso tudo gera muita angústia e pressão, que pode acabar por afetar o resultado no vestibular ou até mesmo o jovem a ficar doente, com síndrome de ansiedade ou pânico."
Os pais têm papel fundamental nessa etapa, a cobrança exagerada ou discussões banais influenciam o estudo, pois o jovem estará mais tenso e não conseguirá focar, como explica Valéria Ribeiro, "Cabe aos pais diminuir essa cobrança e se colocar na posição de alguém que está ali para ajudar, dar suporte, ser um amigo ou, simplesmente, para oferecer colo, se for necessário" e ressalta que atitudes de privação de alguns passeios ajudará o estudante, "No ano do vestibular os pais devem estar cientes que seus filhos terão uma carga maior de estudo e, para que os resultados sejam positivos, eles precisarão deixar de algumas coisas, como almoços, festas e eventos familiares."
A fundadora da Filhosofia revela pontos para os pais ficarem em alerta com os vestibulandos, como a alimentação balanceada e a quantidade certa de sono. Ela alerta a importância do equilibrio dessas áreas: 
·  É importante manter uma alimentação balanceada e uma quantidade de sono, que seja suficiente para que a mente e o corpo tenham energia e repouso suficiente, podendo se reestabelecer do que está lhe sendo exigido.
·  Uma alimentação fraca e a falta do sono, pode acarretar doenças, bem como a diminuição do rendimento desse jovem.
Planejamento da Rotina de Estudo
Na rotina de estudo não é simplesmente estudar tudo, mas ter um planejamento como orienta e alerta a coach familiar "Outro fator importante é auxiliar o filho a estabelecer uma rotina de estudo.", ou seja, incluir a rotina de estudo o horário do cursinho, o horário de estudo em casa ou em outros ambientes, bem como outras atividades, se houver. Tudo isso deve gerar, dentro do possível, uma rotina balanceada.
Nesse planejamento, além da rotina de estudos, os horários de descanso também devem ser incluídos, como explica a especialista, " Também pode se incluir nesta rotina horários de descanso ou mesmo, algum horário de lazer e distração, que neste caso serão mínimos, devido à grande carga de conteúdo a serem estudos, mas importantes para a mente se recompor."
Ela também explica que além de tudo isso, algo simples e rápido pode ajudar na concentração dos filhos, " Ensinar os filhos as respirarem pode ser muito útil nesta fase, pois assim eles terão mais foco, melhor rendimento, pois o cérebro estará mais oxigenado e fará melhores conexões neuronais, isso melhora as notas e diminui o nível de ansiedade e pressão." Então para o próximo vestibular um planejamento de estudos e descanso são fundamentais para o sucesso.
Fonte  http://filhosofia.com.br/

HÁBITOS DOS USUÁRIOS EM RELAÇÃO ÀS SENHAS COLOCAM EMPRESAS EM RISCO

A proteção do perímetro, apesar de ser fundamental, não é suficiente para atender as recomendações de especialistas e pesquisadores de segurança digital em todo o mundo

As empresas brasileiras têm vivido em um cenário preocupante de segurança digital, principalmente se levarmos em consideração diversos casos recentes de grandes vazamentos de dados, incluindo informações pessoais e senhas de acesso de milhares de internautas e até empresas.
Um estudo divulgado este ano pela Associação Brasileira de Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicações (Brasscom), realizado com executivos de segurança de 15 países, aponta que mais da metade dos entrevistados prioriza controles de perímetro.

Sabemos que este é um passo importante para prevenir invasões externas, porém, o investimento em ações que priorizem o comportamento do usuário, como o uso de senhas seguras no combate a golpes de phishing e de engenharia social, por exemplo, pode ser um grande diferencial.
A proteção do perímetro, apesar de ser fundamental, não é suficiente para atender as recomendações de especialistas e pesquisadores de segurança digital em todo o mundo, como a troca constante de senhas – especialmente as senhas bancárias das redes sociais, de e-mails e de comércio eletrônico.
Uma pesquisa liderada pela Universidade de Plymouth, no Reino Unido, revelou que os usuários que recebem orientações básicas sobre a gestão de suas senhas são 40% mais suscetíveis a fazer escolhas seguras, melhorando consideravelmente sua segurança digital.
Quando falamos em segurança de dados para as empresas, exemplos recentes de ataques cibernéticos, inclusive envolvendo extorsões, têm mostrado que a segurança do usuário é fundamental para a segurança dos dados corporativos. Dados da última pesquisa Custos de Violação de Dados 2017, do Instituto Ponemon, confirmam isso: 31% dos ataques cibernéticos no último ano foram causados por falhas humanas, incluindo funcionários desatentos ou negligentes.
Uma única senha fraca pode ser a porta de entrada para um ataque hacker, comprometendo o desempenho dos negócios e gerando altos prejuízos financeiros, problemas de conformidade e danos à imagem das empresas. Segundo dados do Instituto Ponemon, um único ataque cibernético pode causar prejuízos médios de R$ 1,92 milhão.
“Fechando as lacunas” da barreira contra os ataques
Como não priorizam as senhas a estratégia de segurança digital, os usuários corporativos acabam colocando em prática uma série de hábitos ruins – tanto no âmbito pessoal quanto profissional – que colocam o negócio em risco. 
Um desses hábitos é o uso de uma única senha em vários serviços, incluindo os serviços usados no ambiente corporativo, como acesso a sites de e-commerce, à nuvem da empresa e ao e-mail corporativo, por exemplo. Caso haja algum incidente em um serviço de e-commerce, por exemplo, o usuário pode até mudar a senha do serviço, porém, se usá-la para também para acessar algum serviço corporativo, o negócio já está vulnerável. 
Ou seja, mesmo que o usuário siga todos os passos básicos para criar uma senha considerada “forte”, como uso de números, letras em caixa alta e baixa e caracteres especiais, se ele reusá-la, sua suposta força vai por água abaixo.
Diante deste cenário, o ideal é que as empresas comecem a investir cada vez mais na segurança das senhas, identificando padrões e comportamentos que possam colocar o negócio em risco, especialmente porque, na maioria dos casos, os hackers precisam de apenas uma senha para ter acesso a todas as informações sigilosas do negócio. 
Ao fazer um diagnóstico inicial das senhas da empresa e de como seus usuários se comportam quando precisam fazer determinadas escolhas que podem colocar as informações em risco, os responsáveis pela estratégia de segurança digital contam com informações valiosas para aprimorar suas táticas de proteção e monitoramento e começar a promover uma mudança na cultura sobre a segurança digital.
Sem isso, as organizações vão continuar “alimentando” os hackers com redes vulneráveis, dando a eles a possibilidade de promover ataques cibernéticos com o mínimo de esforço.
E se engana quem acredita que apenas as práticas recomendadas por políticas de segurança sejam capazes de impedir os ataques. Diretrizes divulgadas pelo United States National Institute for Standards and Technology (NIST), por exemplo, argumentam que práticas como trocar senhas a cada três meses, inserir caracteres especiais ou criar senhas com letras e números aleatórios são ineficientes.
A mais recente recomendação do instituto envolve a substituição da troca periódica de senhas pela recomendação do uso de frases memorizadas, que englobariam expressões com pelo menos 64 caracteres, compostas de frases que os usuários poderiam memorizar facilmente, contendo espaços, palavras ou quaisquer outros caracteres.
Paulo Tiroli — Especialista em Produtos de Segurança Digital Corporativa da Atech
Fonte http://www.administradores.com.br/noticias/cotidiano/habitos-dos-usuarios-em-relacao-as-senhas-colocam-empresas-em-risco/125866/

domingo, 12 de agosto de 2018

7 FILMES SOBRE COMUNICAÇÃO E MARKETING PARA ASSISTIR NO NETFLIX

"Obrigado por fumar", por exemplo, mostra a história de um lobista que tem um gigantesco poder de argumentação

A empresa Netflix tem mais de 100 milhões de assinantes em todo o mundo. O serviço de transmissão online foi fundado em 1997 nos Estados Unidos. Hoje mais de 190 países tem acesso à plataforma, que disponibiliza filmes, séries e documentários para seus clientes. Há uma grande variedade de títulos. O especialista em oratória criativa, Augusto Uchoa, dá algumas dicas para quem quer ver filmes com a temática sobre Comunicação e Marketing e aprender com esses filmes.
Confira os 7 filmes que Uchoa indica em seu canal no Youtube para ensinar e, ao mesmo tempo, entreter:

1. O diabo veste Prada (2006) – o filme com Meryl Streep é ótimo e tem muito mais que o mundo da moda, mostra o preço que ela paga pela ambição. O filme “As 48 leis do poder” explora isso. Você está a fim de pagar o preço pelo sucesso? O filme coloca na balança qual é o preço pela entrega. 
2. Obrigado por fumar (2005) – é a história de um lobista que tem um gigantesco poder de argumentação. Ele é porta-voz de uma empresa de tabaco que defende de forma persuasiva os interesses da empresa. A cena que tem os lobistas de alimentos, armas e cigarros jantando, o diálogo entre eles e quem mata mais é um primor. O personagem Nick Naylor usa os argumentos de maneira correta. Ele usa gatilhos da persuasão de Robert Cialdini, autor de “As armas da persuasão”. 
3. O discurso do rei (2010) – com tópico sobre comunicação e coaching, tutoria e aprendizado, o filme conta a estória do rei que tinha que discursar para milhares de pessoas e tinha problemas de dicção, o que gerava descrédito. Com a ajuda de um professor de fonoaudiologia, o discurso passou a ter uma nova percepção do público. Então é interessante perceber que quando você começa a falar, as portas se abrem. Não é dom ou sorte. É encontrar a pessoa certa e se expor. É uma grande metáfora para quem está começando a falar.
4. A rede social (2010) – Marc se junta e monta um negócio com um parceiro no quarto de faculdade em Harvard. O filme é interessante para perceber os novos meios de comunicação e a modificação da maneira das pessoas se comunicarem com estratégias já existentes. É uma grande metáfora. Mostra o poderoso impacto das redes sociais nos dias de hoje. A oratória é explorada também no filme. 
5. O advogado do diabo (1997) – o filme tem Al Pacino como diabo. É interessante para questionar ética e ambiente (como ele molda as pessoas) e principalmente, ninguém está isento da coerção que o ambiente exerce sobre nós (o Cisne Negro também explora isso numa visão mais psicológica). Ele está sempre dando opções para o advogado, até com certa falta de ética. Nossos pais faziam isso (é estratégia de oradores antigos). Eles davam as opções em que ambas as escolhas eram interessantes apenas para eles. O ego e a vaidade fazem com que a pessoas troquem tudo: família, amor, etc. Fama e vaidade são os novos likes.
6. O lobo de Wall Street (2013) - No filme estrelado por Leonardo Di Caprio, o jovem Belfort fez fortuna no mercado financeiro, mas ficou preso por lavagem de dinheiro e fraude. Os fins não justificam os meios. Mas qual é a ética e o tribunal do travesseiro por traz disso? Neste mundo conectado vale desconfiar do bom demais para ser verdade, os modelos de pirâmides e as fórmulas de lançamento. O filme acaba com Di Caprio se transformando em guru e ajudando as pessoas. É uma crítica aos gurus de palco. 
7. Steve Jobs (2015) – é uma obra prima que mostra o perfil sociopata dele, mas a paixão que ele tinha pelos produtos que criava. Explora também um pouco de oratória. A maior ênfase é o storytelling, como ele transmitia das ideias dele. Ele não gostava de gente, mas gostava do que estava entregando, e se transformou no garoto propaganda da marca dele, depois de muito treinamento.
Fonte http://www.administradores.com.br/noticias/entretenimento/7-filmes-sobre-comunicacao-e-marketing-para-assistir-no-netflix/125425/

sábado, 11 de agosto de 2018

COMO SOBREVIVER PROFISSIONALMENTE NA ERA DIGITAL?

É preciso entender, por exemplo, que nem todas as tecnologias têm sua aplicação economicamente viável em qualquer negócio

Um estudo realizado pela BSA The Software Alliance sobre a importância dos dados aponta: atualmente, 90% dos líderes empresariais citam dados como um dos recursos essenciais e como um diferenciador fundamental para os negócios, no mesmo nível de recursos básicos como terra, mão de obra e capital. Em um mercado de trabalho que se transforma constantemente, a capacidade de adaptação e até mesmo a antecipação de tendências vem se tornando cada vez mais um diferencial competitivo dentro das empresas. É então que surge um desafio que pode tirar o sono de muitos executivos: por onde começar? Como tomar uma atitude para se atualizar?
Primeiramente, é necessário criar uma mentalidade digital, desenvolvendo competências que acompanhem as necessidades do mercado e adquirindo uma nova linha de raciocínio. Isso gera uma rotina de busca constante por novidades, que torna mais fácil o processo de compreensão das ferramentas que surgem diariamente. Em uma sociedade baseada em dados, é importante ter em mente que a inteligência artificial já é corriqueira. Compreender que é algo que faz parte do dia a dia das pessoas é essencial. Então, o próximo passo é se perguntar: onde isso se encaixa na empresa em que trabalho?

É preciso entender que nem todas as tecnologias têm sua aplicação economicamente viável em qualquer negócio. Entretanto, atualmente todas as empresas têm implementada algum tipo de tecnologia, mesmo que não tenham se dado conta disso. Uma lavanderia, por exemplo, pode simplesmente lavar as roupas que recebe. Mas também pode criar uma base de informações sobre seus clientes (como marca, tamanho, estampa, cor, tipo de roupa que é lavada e com qual frequência), por meio da qual será capaz de oferecer um serviço customizado e muito mais eficiente. Profissionais de dados pensam muito além de lavar roupas, podem capturar informações e fazer parcerias com marcas que desejam atingir o público target da sua concorrência com mais assertividade.
Desse modo, com base no conhecimento das metodologias existentes, o próximo passo é a ação: como tirar um projeto do papel? É aqui que as empresas podem contar com parceiros e fornecedores. A implementação de mudanças no ambiente profissional é algo que demanda especialistas que têm experiência no assunto. Para mudanças efetivas, profissionais certeiros: com uma equipe qualificada e fornecedores atualizados no mercado, fica mais fácil compreender sua posição no jogo e como sua empresa pode se atualizar perante as concorrentes.
Por fim, o ponto crucial é estar ciente de que nunca se sabe de tudo: a qualificação constante e atualização dentro do mercado de trabalho não são apenas necessidades - se tornaram obrigações. A tarefa não é fácil e com toda essa transformação, o mundo do aprendizado não poderia ser diferente. Hoje é possível encontrar locais em que se aprende e se aplica novas ferramentas e metodologias de maneira prática e rápida. Esse conhecimento permite que executivos em busca de liderar a empresa nesse desenvolvimento digital consigam incorporar a mudança na essência do negócio, mantendo seu lugar no mercado.
Luiz E. Buccos — Coordenador de Gestão de Negócios Digitais e Digital Immersion Program, na Digital House, um hub de educação para a formação de profissionais de alta performance para o mercado digital. Com uma carreira de sucesso em empresas multinacionais como IBM e Accenture, Buccos se considera um apaixonado por inovação.
Fonte http://www.administradores.com.br/noticias/cotidiano/como-sobreviver-profissionalmente-na-era-digital/125865/

sexta-feira, 10 de agosto de 2018

UM LÍDER PODE EVITAR O PÂNICO DA EQUIPE DURANTE UMA FUSÃO?

Com o mundo dos funcionários virando de cabeça para baixo, o que todos realmente querem saber é: como eu fico no meio disso?

São Paulo – Quando o empregador anuncia uma fusão ou aquisição, o mundo dos seus funcionários vira de ponta cabeça. E o que todos querem saber é: como eu fico no meio disso?
Uma resposta da empresa desde o primeiro dia será crucial para o sucesso do negócio – mesmo que o processo da mudança seja longo.
Em seus mais de 30 anos de experiência na área de estratégia de recursos humanos, Josué Bressane, sócio e diretor da Falconi Gente, já viu de tudo, de desastres a êxitos completos.
Ele fala com orgulho do trabalho feito na época que houve a fusão entre as rivais cervejeiras Antarctica e Brahma em 1999, que formou a Ambev. O executivo fazia parte de um dos 17 grupos de integração formados para avaliar as forças de cada empresa e desenhar o que seria a junção das duas. Quando a fusão foi aprovada, todos os detalhes já estavam definidos, o que facilitou a integração.
“Não adianta, uma das culturas sempre vai prevalecer”, conta. “Naquele caso, a dominante foi a da Brahma. Mas não quer dizer que uma seja melhor ou pior, mas o foco no mercado e ideia de meritocracia da Brahma encaixava com os valores da nova empresa que estava se formando”.
Com os novos valores claros, os funcionários devem se alinhar à cultura do topo para baixo. Segundo Bressane, as perdas fazem parte do processo de mudança, mas a transparência e boa comunicação evitarão que a empresa perca seus talentos.
“É responsabilidade das lideranças a orientação de como ocorrerá a integração, não dos empregados”, avisa o executivo. Os pilares de sua empresa: Copastur mostra como a gestão de pessoas impacta no crescimento de seu negócio Patrocinado 
Segundo ele, fusões e mudanças sempre ocorrem por uma razão. Ainda assim, é compreensível que apareçam dúvidas e preocupações sobre seu destino diante da nova conjectura.
As lideranças devem se adiantar e ter as respostas prontas para acalmar seus funcionários – inclusive sobre quem serão esses líderes a que irão responder. É essencial ter um plano e metas, mesmo que negociações para unificar processos sejam demorada, isso mostra que a questão está em pauta. Bressane sugere comunicação por escrito.
“Seria um material que responde cerca de dez perguntas que tiram o sono das pessoas. Coisas como onde será a sede da empresa, como fica o salário e se um cargo ainda vai existir”.
Para ele, os líderes podem ser agentes positivos para a mudança – ou antagônicos. Esse segundo caso apresenta a maior ameaça.
É normal pessoas terem ideias diferentes, mas o líder deve comprar a ideia da nova gestão e passar essa visão para sua equipe. Quem compra só a teoria, mas não aceita as práticas, acaba atuando apenas com o intuito de provar que o modelo não funciona. E ele leva sua equipe junto.
Bressane relembra o caso de uma organização em que o fundo que investiu na empresa tentou impor uma nova cultura sem fazer o planejamento certo e o mapeamento da cultura anterior. “Não deu certo, não se respeitava e as pessoas não praticavam a nova cultura. É impossível trocar todo mundo, pois todo o conhecimento técnico seria perdido”, diz ele.
Por outro lado, o líder como agente positivo não apenas serve como exemplo, mas assegura sua equipe de seu lugar no novo panorama, transmitindo e explicando os novos valores.
Na época da criação da Ambev, o RH organizou visitas do presidente da empresa a todas as unidades, onde apresentava os valores e tirava dúvidas. “Em seis meses, isso permeou dentro da organização em todos os níveis. Quem não acreditava, saiu. Para nossa surpresa, muitos estavam ávidos pela nova cultura, aderiram muito rapidamente e prosperaram”, conta.
Fonte https://exame.abril.com.br/carreira/um-lider-pode-evitar-o-panico-da-equipe-durante-uma-fusao/

quinta-feira, 9 de agosto de 2018

“TRANSPORTA” É CRIADA PARA MELHORAR PROCESSOS NA CADEIA DE SUPRIMENTOS

Ferramenta foi desenvolvida pela Nimbi e chega com a proposta de unificar toda a gestão de logística para clientes

Segundo a pesquisa Custos Logísticos no Brasil, da Fundação Dom Cabral (FDC), o custo dos processos logísticos no faturamento das empresas aumentou de 11,73% em 2015 para 12,37% em 2017, um incremento que corresponde a R$ 15,5 bilhões. Por isso, a Nimbi, empresa de soluções para a gestão da cadeia de suprimentos, lançou uma nova ferramenta chamada “Transporta”. A solução chega com a proposta de unificar toda a gestão de logística.
Com a “Transporta”, as empresas conseguem gerenciar todos os processos logísticos relacionados aos produtos, reduzindo custos de transporte, eliminando perdas referentes a quebras e garantindo que todos os serviços acordados sejam cumpridos.
Disponível na plataforma, a ferramenta proporciona uma gestão unificada da área, começando pela paletização (organização da mercadoria em pallets para otimizar o espaço no veículo utilizado) e roteirização de viagens, a oferta estruturada dos fretes às transportadas, agendamento de entregas e o monitoramento e gestão de ocorrências ao longo de toda a sequência, concluindo com a confirmação de que chegou ao destino.
O CEO da Nimbi, Felipe Almeida, ressalva a importância da gestão logística para otimizar a cadeia de suprimento, principalmente se for analisado o TCO (Custo Total de Propriedade). “Não é só o preço. Não adianta negociar bem, com processos claros e bem definidos de compras, se no fim o transporte da mercadoria para o destino final não seja executado de forma eficiente", explica.
Fonte http://www.revistamundologistica.com.br/noticias/ldquo;transportardquo;-e-criada-para-melhorar-processos-na-cadeia-de-suprimentos

quarta-feira, 8 de agosto de 2018

SERÁ QUE VOCÊ, EMPRESÁRIO, ENTENDEU MESMO A REFORMA TRABALHISTA?

Mudanças impactam não só aspectos burocráticos, mas também a forma como empresas atraem e retêm talentos

A Lei n.º 13.467, que trata da reforma nas leis trabalhistas brasileiras, entrou em vigor em novembro de 2017 e até hoje gera questionamentos de todos os lados: dos trabalhadores e dos empregadores. E isso é normal. Afinal, tudo que é novo precisa de um tempo para ser absorvido em novas rotinas. Mas quanto antes você, empresário, entender os impactos dessas transformações, melhor. Por que elas não afetam apenas questões burocráticas, mas também a forma como sua marca empregadora atua, como seu negócio atrai e retém talentos.
A reforma formalizou algumas questões que já eram realidade e não tinham regulamentação, como a jornada de trabalho de 12x36 horas, o trabalho intermitente e a possibilidade de o trabalhador que pede demissão ter acesso ao FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço). E também trouxe novidades, como a priorização dos acordos perante a legislação.
Nós da Cesta Nobre preparamos um guia que esclarece ponto a ponto todas as mudanças nas leis trabalhistas e os impactos que ela gera para as empresas. Clique aqui para baixar o guia.

Seus desafios

Neste artigo, não vou entrar ponto a ponto nas novas leis. Para isso, recomendo fortemente que faça o download do guia. Aqui, quero falar com você sobre os desafios que essas mudanças impõe. De um lado, os processos de contratação, gestão e demissão de pessoas ficou mais flexível. Por outro, surgem novos tipos de relação trabalhista, cada um com suas especificidades e, consequentemente, demandas próprias.
Por isso, a primeira postura a ser adotada pelo empresário nesse novo cenário é entender que, ao implementar mudanças em suas formas de contratar e gerir suas equipe, a cultura com a qual estava acostumado sofrerá impactos. E isso deve ser levado em conta na hora de decidir os critérios que serão estabelecidos.

Ser uma empresa atrativa para talentos de alto impacto

A reforma trabalhista regulamentou, por exemplo, a jornada intermitente e o home-office. No primeiro caso, a empresa convoca o trabalhador somente quando precisar dele e o remunera apenas com base nos dias trabalhados. Isso traz flexibilidade, por exemplo, para restaurantes e bares, que têm fluxo maior nos finais de semana e não precisam mais ficar com mão de obra ociosa durante toda a semana. O trabalhador pode considerar esse tipo de contrato positivo, por lhe permitir ter outras atividades em dias e horários diferentes. Mas também pode não gostar e considerar inseguro, do ponto de vista financeiro, por não oferecer tanta previsibilidade na remuneração. Esse colaborador não pensará duas vezes quando receber uma proposta que ofereça um salário fixo, talvez.
Com esse exemplo, você consegue perceber um pouco os melindres desse novo cenário? É importante você entender que nem sempre o que parece bom à primeira vista realmente é. O grande desafio de manter sua empresa atrativa para talentos de alto impacto deve vir à frente da busca por melhores condições financeiras de contratação. Enxergue suas equipes sempre como investimentos, não como despesas.
Pessoas são um ativo crucial para qualquer negócio e você precisa ter uma estratégia eficiente para atrair e, principalmente, reter os melhores. Isso pode ser feito através do mapeamento de perfil de talentos da organização. Assim é possível desenvolver um bom programa de benefícios e, consequentemente, fidelizar os seus talentos, evitando gastos com mais seleções e demissões e, por fim, retendo colaboradores mais produtivos, engajados e com chances reais de crescimento.

Diferentes perfis

Com o mapeamento de talentos, você poderá também organizar melhor a forma como suas equipes trabalham. A nova lei trabalhista regulamentou o home office, forma de trabalho que tem crescido bastante e atraído muitos profissionais. Com conhecimento sobre os perfis de seus colaboradores, você pode perceber que alguns, por exemplo, geram mais resultados trabalhando de casa do que dando expediente na organização. Imagine por exemplo aquele colaborador genial, que tem as melhores ideias, executa tudo de forma eficiente, mas mora longe, costuma se atrasar, trabalhar melhor sozinho etc. Por que fazer esse profissional marcar ponto todos os dias se o home office pode ser melhor para você e para ele?

O poder dos benefícios

Diante desse cenário, a oferta de benefícios se tornou um instrumento ainda mais poderoso. Esse é um caminho muito interessante e eficiente para manter em alta a reputação da sua marca empregadora, de atrair talentos, de retê-los e, principalmente, motivá-los.
http://www.administradores.com.br/noticias/negocios/sera-que-voce-empresario-entendeu-mesmo-a-reforma-trabalhista/125900/Fonte 

terça-feira, 7 de agosto de 2018

INFRAESTRUTURA: Renovação pode render R$ 25 bilhões a ferrovias

O Brasil já teve 32 mil quilômetros de ferrovias, mas hoje apenas 14 mil quilômetros são operacionais

INFRAESTRUTURA: Renovação pode render R$ 25 bilhões a ferrovias
Um maior uso das ferrovias para o transporte de cargas poderia reduzir significativamente os custos, a emissão de gás carbônico e os acidentes no trânsito, que causam a morte de 37 mil pessoas por ano. O assunto foi tema do debate do evento "E agora, Brasil?", promovido pelos jornais "O Globo" e Valor, em 26 de julho.
Experiência - "É preciso aproveitar a experiência passada, aprimorá-la e investir. Mas a ferrovia foi sendo deixada de lado", frisou o ex-ministro dos Transportes e presidente da Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR), César Borges.
Ativos - De acordo com Paulo Resende, da Fundação Dom Cabral, em 2002, o valor dos ativos de infraestrutura brasileira, incluindo as ferrovias, equivalia a 22% do PIB. Hoje está em 12%. Em termos de comparação, no Japão essa proporção é de 65%, e nos Estados Unidos, de 50%. E o governo Donald Trump já considera um grande gargalo a recuperação da infraestrutura americana, disse Resende. "Ou seja, em 15 anos, mesmo com investimentos da iniciativa privada e dos programas do governo federal, nós tivemos uma desvalorização jamais vista entre as principais economias do mundo", afirmou Resende.
Espanha - O diretor presidente da Arteris, David Díaz, lembrou que na Espanha a maior parte das vias ferroviárias é deficitária em resultado operacional, mas a atividade cria muitos empregos. Na visão de Díaz, não dá para olhar a infraestrutura de forma isolada, "porque os projetos trazem muitos empregos e, a longo prazo, há um efeito multiplicador".
Pauta - Na pauta do país para as ferrovias, o governo federal espera concluir ainda este ano a renovação antecipada de concessões, em troca de novos investimentos. Isso porque, sem a participação da iniciativa privada, a União não tem como investir nesse setor.
TCU - A expectativa é concluir os projetos, que dependem do aval do Tribunal de Contas da União (TCU). Mesmo com a mudança de presidente, não seria possível reverter o processo. Em contrapartida, as empresas se comprometem a investir R$ 25 bilhões no setor ao longo dos contratos.
Renovação - Serão renovados antecipadamente, por mais 30 anos, cinco concessões: Malha Paulista (Rumo), as ferrovias da Vale (Vitória-Minas e Estrada de Ferro Carajás), MRS (Malha Regional Sudeste) e Ferrovia Centro Atlântica (FCA). "O Programa de Parcerias de Investimento (PPI) tem condições de aprimorar as concessões de infraestrutura do passado" - disse Adalberto Vasconcelos, secretário do PPI.
Fonte http://www.portaldoagronegocio.com.br/noticia/logistica-e-transporte-2085/infraestrutura-renovacao-pode-render-r-25-bilhoes-a-ferrovias-174597